PROCURA A SUA FACE; É A TUA FACE, SENHOR, QUE EU PROCURO

PROCURA A SUA FACE; É A TUA FACE, SENHOR, QUE EU PROCURO

Senhor, até quando? (Sl 6,4). Até quando, Senhor, Te esquecerás de nós? Por quanto tempo ainda nos esconderás a tua face? (Sl 12,2). Quando nos olharás e nos ouvirás? Quando iluminarás os nossos olhos e nos mostrarás a tua face? Quando virás de novo até nós? Olha para nós, Senhor, ilumina-nos, mostra-te a nós. Concede-nos o bem da tua presença, a nós que, sem ti, nada fazemos bem. Tem piedade dos nossos esforços ativos para chegarmos a ti, nós que nada podemos sem ti. Se nos convidas, ajuda-nos.  Suplico-te, Senhor, não me deixes suspirar de desespero; faz-me respirar a esperança.  Que me seja, ao menos, permitido entrever a luz, mesmo que de longe, mesmo que das profundezas. Ensina-me a procurar-te, e mostra-te quando te procuro. É que não posso procurar-te se não me guiares, nem encontrar-te se não te mostrares. Procurar-te-ei pelo desejo e desejar-te-ei na minha procura. Encontrar-te-ei amando-te e amar-te-ei te encontrando. Santo Anselmo (1033-1109), monge, bispo e doutor da Igreja